Este blogue é dedicado ao povo português ao MFA e muito especialmente ao único primeiro ministro de Portugal que foi verdadeiramente amigo do povo:

- O GENERAL VASCO GONÇALVES.

Terça-feira, 31 de Julho de 2007

O valor da verdade

A Contra-revolução confessa-se
2005-04-18

Quando questionados acerca do valor da verdade, muitos serão, certamente, aqueles que dirão que o limiar entre a verdade e a mentira é ténue, curto, difícil de definir. Os donos desse tipo de resposta podem ser muita coisa, mas não são, ao certo, comunistas.

Este é o principal ensinamento que retiramos ao ler a obra "A verdade e a mentira na Revolução de Abril - A contra-revolução confessa-se", escrita aquando do 25º aniversário do 25 de Abril, pelo camarada Álvaro Cunhal.

Aqui evidenciam-se, de forma notável, os podres, as contradições e as mentiras que os mais amplos sectores da social-democracia portuguesa (e não só, dada a ingerência da CIA e outras forças internacionais) veicularam e veiculam sobre tudo o que envolve o processo revolucionário, desde o próprio fascismo até aos dias de hoje, passando pelos agitados dias do Processo Revolucionário Em Curso.

Porém, é simplesmente incrível como cruzando discursos, afirmações e factos se chega a conclusões que, infelizmente, de surpreendente têm pouco, dada a traição que a Revolução Portuguesa sofreu, acabando por gerar este sistema em que vivemos hoje, que de democrático tem apenas a alcunha, pois já pouco resta das enormes conquistas que a Revolução de Abril nos trouxe.

Com efeito, Cunhal presenteia-nos com um conjunto de citações de figuras da história, mas também da actualidade portuguesas, que deixam "cla-rinho como água" (para quem ainda tivesse dúvidas), o carácter viscoso, mentiroso, anti-democrá-tcio e anti-comunista de personalidades que insistem em auto-catalogar-se como "de esquerda" ou "democratas", como Francisco Sá Carneiro, Marcelo Rebelo de Sousa, Mário Soares, Diogo Freitas do Amaral ou Fernando Rosas (sim, esse mesmo, o do Bloco "de Esquerda"!), entre outros, cujo papel na destruição (na altura) e no branqueamento (agora) da Revolução, lhes valerá o eterno agradecimento de famílias (ou grupos empresariais - neste caso é difícil de distinguir) como os Mello's e os Champalimaud's.

Perante isto, é papel dos comunistas não deixar cair as assinaláveis mudanças que Abril permitiu, quer pelos extraordinários avanços sociais verificados nas mais diferentes áreas - direitos laborais, reforma agrária, saúde, educação, etc. -, quer pela forma como estes avanços se registaram: a luta. Na verdade, a noção que apenas a luta de massas, consequente e revolucionária, é o caminho para as vitórias populares, é uma lição que o 25 de Abril, experiência revolucionária única pelas suas particularidades, nos deve para sempre deixar. Com efeito, apenas a luta permitiu, não só os avanços acima descritos, como a resistência à feroz investida que o Capital estrangeiro e nacional fizeram à revolução portuguesa, realizando golpes (como o 28 de Setembro ou o 25 de Novembro), perseguindo os comunistas e os progressistas, e até criando e promovendo fenómenos de distracção e distanciamento do essencial como eram os grupelhos esquerdistas ou, noutro plano, o PS e o PSD.

Assim, podemos com firmeza afirmar que de 74 aos nossos dias a estratégia do Capital não se alterou muito, apenas se adaptou criativamente aos dias que vivemos e às batalhas que foi ganhando e perdendo, senão vejamos: em 74, os esquerdistas apelidavam o PCP de revisionista, recuado, cúmplice do Capital; hoje continuam a fazê-lo sem grandes alterações... Em 74, o PS escrevia no seu programa palavras como "nacionalizações", "reforma agrária" e outras coisas por que os comunistas sempre lutaram e pugnaram, sendo que quando se apanhou no poder não fez nada para isso (aliás, bem pelo contrário), acusando o PCP de tentar impor outras formas de ditadura; hoje afirma-se "de esquerda" e governa claramente com medidas de direita, apelidando os comunistas de "idealistas", "utópicos", etc.; quanto ao PSD, também só no vocabulário houve alterações, pois continua a afirmar fazer o melhor para os trabalhadores e as populações, acabando sempre por os prejudicar, em detrimento dos grandes grupos económicos.

Com certeza e convicção podemos afirmar que estas preocupações de tipo social só eram escritas e anunciadas como forma de distracção das massas, pois como em "A verdade e a mentira na Revolução de Abril" se desmascara, é o próprio Mário Soares quem desvaloriza o conteúdo programático do seu próprio partido (!). É caso para perguntar se o subtítulo "A contra-revolução confessa-se" poderia fazer mais sentido Em suma, nesta brilhante obra, de que esta curta análise não pretende, nem poderia nunca ser um resumo, Cunhal demonstra de forma científica o cunho de classe que o relato da História assume cada vez que é narrada e construída, mediante quem a escreve e organiza. Tanto assim é que, no que ao 25 de Abril se refere, as forças defensoras do capitalismo se viram forçadas, não apenas a sobrevalorizar factos e personalidades de forma romanceada (como habitualmente fazem), como necessitaram de branquear, apagar e distorcer factos para criar uma versão "aceitável" da nossa Revolução para vender às gerações futuras.

Mas, como tudo o que é produzido pelo capital, também esta versão tem contradições, quer na estrutura, quer na forma, acabando por cair como um baralho de cartas quando confrontada com factos e depoimentos dos próprios produtores dessa versão.

Como diz o nosso sábio povo: "a verdade vem sempre ao de cima"... é uma chatice para alguns, mas é mesmo assim...

 

Texto originalmente publicado no Agit, n.º 69 de Abril de 2005

Tiago Vieira
Membro da Direcção Nacional da JCP

 

      Imprimir         Enviar a um amigo

extraído do site da: Juventude Comunista Portuguesa

 

Unidade POVO/MFA editou às 19:24
link do post | comentar | favorito
|

Maio 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

28
29
30
31


pesquisar

 

mais sobre mim

Pesquisa Recente

LEMBRAR: Vasco Gonçalves

2011 - 36 anos da criação...

Lembrando tempos de Pode...

E Abril se foi...

O valor da verdade

Lembrando "Abril e Zeca A...

Hoje estamos em greve

21 de Julho de 2003

Grândola Vila Morena

Relembrando...

Historial

Maio 2012

Março 2011

Dezembro 2009

Abril 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Campo de batalha


Poder Popular

A Voz do Proletário

Explorados e Oprimidos

Vítimas do terrorismo

O Revolucionário

Unidade POVO/MFA

Reforma Agrária

Bandiera Rossa

A Bandeira Vermelha

O Verdadeiro Socialismo

O anti-capitalista


blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags